Por Russell Shedd

Temos um problema com o conceito de chamado. O chamado para seguir a Jesus não pode ser separado da vocação de servir – Mt 4:19. Nas parábolas de Jesus as sementes que não multiplicam, são sufocadas pelos cuidados do mundo; não tem raiz – Mt 13:24-30

Segundo as parábolas não é opcional servir a Cristo – Jesus exige carregar a sua cruz – integrar-se na missão que Jesus veio cumprir. Não está certo restringir aos doze a obrigação de divulgar o evangelho no mundo – Lc 9:60-62. Os diáconos de Atos serviram a missão de Jesus e não apenas às mesas – At 6:1-8:40. Os cristãos que foram dispersos por causa da grande perseguição que assolou a igreja de Jerusalém, não precisavam de um chamado especial para divulgar o evangelho – At 8:1-4

Quatro Mitos – Dr. Ralph Covell

  1. Vocacional – somente parte da igreja tem chamado para missões.
  2. Um chamado especial é necessário – seria interessante enviar um missionário que não tem um chamado específico?
  3. Um missionário é alguém que deixou sua terra.
  4. Falar é tudo – folhetos, rádio, gravações evangélicas

Princípios Básicos

  1. Atos mostra que os melhores obreiros devem ir para a missão – At 13:1-3. Paulo e Barnabé forarm separados pelo Espírito Santo.
  2. Atos não informa se houve levantamento de ofertas para pagar as despesas da viagem e sustento. Paulo trabalhou com suas próprias mãos para sustentar os colegas – At 20: 34. As ofertas de Filipos e possivelmente de Roma ajudaram o Apóstolo cobrir as despesas – Fp 4:16-18; Rm 15: 24.
  3. Fica claro que os missionários deveriam ser preparados – Paulo durante 14 anos depois de sua conversão – Gl 1:14. Barnabé teve preparo em Jerusalém e Antioquia.
  4. Algumas pessoas são especificamente designadas para certas culturas ou regiões – Jesus para a casa de Israel. Paulo, apóstolo enviado aos gentios. Mas compare Rm 9:1-3.
  5. Romanos 10:14-21 – somente podem invocar o nome do Senhor se alguém crê. Alguém crê somente se ouviu por um pregador. Somente há pregador se for enviado.
  6. Peter Wagner pensa que existe um “Dom” missionário.

Considerações

  1. As necessidades da região – Jonas 4:11
  2. Porcentagem cristã – Chile – 22% Corea – 30% Brasil – 15% Compare os paises que não tem nem um porcento – Mauritânia, Libia, França, etc.
  3. Albânia hoje comparado com 10 anos passados.
  4. Receptividade e portas abertas
  5. Considerações pessoais
  6. Adaptação cultural- importância de ajudar os obreiros que existem no própiro país (Instituto Haggai).
  7. David e Helen Ekstrom em Guatemala – Analzira em Huambo, Angola. Jarbas da Silva em Congo ou Madagascar e não em Moçambique.
  8. Índia – Banda Missionária de Oração e George Samuel (6,000 missionários na India).
  9. Treinamento
  10. Convenção Batista Brasileiro – missionários agora começam a receber um pouco de treinamento em antropolgia e linguística.
  11. CEM em Viçosa, MG. CTM em João Pessoa.
  12. Sustento – os missionários que conseguem levantar sustento significa que as suas igrejas confiam neles.
  13. O Dom de Missionário
  14. O avivamento entre os morávios em Saxônia em 1727.
  15. O avivamento em Wheaton College 1950
  16. Hudson Taylor – C.T. Studd
  17. O quadro de Missões no Brasil – Kairos, Missões Mudiais

Conclusão

1.Como desafiar os estudantes de nosso seminários e igrejas?

  1. Como se pode criar uma visão missionária.
  2. Qual é o modelo melhor para preparo e treinamento para cumprir a missão? 4. Charles Stanley, “O pecado mais severo dos cristãos é uma paralisantes falta de preocupação e uma atitude anestesiada de “não me importa”. Por que deve me preocupar? Não é de se admirar que milhões estão perecendo.
  3. C.T. Studd, “Ganhando almas ali (no campo missionário) é a mesma coisa do que ganhar almas aqui; é apenas mais difícil. O demônio vem e diz, “por que não voltar para casa? Você pode ganhar mais almas em sua terra do que aqui. Mas eu recebi ordens para marchar para China. Preciso uma ordem igualmente clara para voltar.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.