Não é de hoje que se ouve falar da perseguição religiosa e dos abusos do Governo que assolam toda a nação da Coreia do Norte. A fome é noticiada de tempos em tempos como um problema constante e os direitos humanos não são respeitado no país comunista. Uma luz no fim do túnel foi aberta quando o ditador Kim Jong II morreu e os olhos da comunidade internacional se voltaram para o país, esperando que seu filho Kim Jong Un, que o sucedeu, mudasse a situação dando uma abertura política. Porém, apesar da mensagem de esperança de um futuro com um pouco mais de tolerância, desde que assumiu em 2011 nenhuma melhoria foi notada na condição da igreja cristã perseguida, nem para a população em geral. Um cristão fiel e toda sua família, até hoje ainda podem ir para a prisão pelo crime de possuir uma Bíblia.

E é sobre esse assunto que o Radar Missionário vai abordar essa semana: A perseguição religiosa na Coreia do Norte. O porquê devemos orar pela salvação daquele povo, embora os meios as vezes desconhecemos, mas é desejo de Deus que todos se salvem e para tal precisamos nos unir clamando ao Senhor, para que seu Reino venha sobre essa nação fechada, pois cremos que não há impossibilidades para o Deus.

A Coreia do Norte ainda está em primeiro lugar na lista dos maiores perseguidores dos cristãos no mundo. No país, qualquer forma de adoração à outra pessoa além do ‘Grande Líder’ (Kim II-Sung – foto- ) e do “líder supremo” (Kim Jong-II) é vista como traição.

north-korea-nuclear_

Para compreender plenamente a perseguição aos cristãos precisa-se entender a mentalidade norte-coreana. O “paraíso” foi instalado com Kim Il-Sung como o líder do povo coreano. Ele libertou seu país da ocupação japonesa e o transformou no primeiro “verdadeiro paraíso na terra”. Após a Guerra da Coreia na década de 50, Deus foi declarado morto. Seus seguidores foram mortos, enviados para campos de trabalho ou expulsos para regiões remotas e hostis. Muitos foram para a clandestinidade. O status de Kim Il-Sung foi aumentado até o de um deus. Sob a direção do Grande Líder, o Estado tomou o controle sobre cada aspecto da vida na sociedade.

Os cristãos exercem suas funções locais, mas adoram a Jesus Cristo. Sua mente não é preenchida com a ideologia de autossuficiência da Coreia do Norte. Eles cuidam dos doentes, dos órfãos e famintos quando ninguém mais o faz. Esses atos criminosos de “amar ao próximo” – de “não se encaixar [nos padrões norte-coreanos]”- os tornam inimigos políticos.

Por isso, o trabalho com a Igreja Perseguida na Coreia do Norte é tão arriscado. A distribuição de Bíblias, os treinamentos, o trabalho para os refugiados na China e até mesmo a ajuda com entrega de alimentos são realizadas em profundo segredo.

A pressão aos cristãos acontece em um nível muito elevado em todas as esferas da vida. Para os norte-coreanos, ser cristão requer manter esse segredo bem protegido, não só das autoridades, mas também de amigos, vizinhos e até mesmo de suas próprias famílias. Se forem descobertos correm o risco de serem violentados, torturados e levados a prisões ou campos de trabalhos forçados, juntamente com suas famílias. Estima-se que há mais de 50 mil cristãos presos em campos de trabalhos forçados na Coreia do Norte.

No segundo semestre de 2014, a ONU realizou um debate sobre direitos humanos relacionado ao país. A conclusão foi a mesma, a respeito dos diversos temas discutidos: “A Coreia do Norte é um país caracterizado pela negação dos direitos à liberdade de pensamento, consciência e religião, assim como direitos à liberdade de opinião, expressão, informação e associação”, disse um investigador.

Segundo dados da Missão portas Abertas, não houve nenhuma melhoria no último ano, para os cristão que vivem na Coreia do Norte em relação a preseguição. Naturalmente, é difícil confirmar o número de cristãos em um ambiente altamente restritivo. Entretanto, com base em informações de dentro do país, a Portas Abertas estima que o número de cristãos está em torno de 200 e 400 mil. Para eles, a realidade futura é de que, apesar da vulnerabilidade e precariedade, a igreja continue sobrevivendo e crescendo de forma lenta, mas sem cessar.

“Esse período de sofrimento na Coreia do Norte já dura há muito tempo, mas somos incentivados a seguir em frente com o nosso objetivo em Cristo todos os dias. Por quê? Por que temos as orações e apoio de cristãos de todo o mundo.” Cristão norte-coreano.

A South Korean Christian woman prays during a service to mark the 60th anniversary of the June 25 Korean War at the World Cup Stadium in Seoul, Tuesday, June 22, 2010. More than 30,000 Christians congregated for prayers for a peaceful solution over North Korea's nuclear weapons programs and hope for an early reunification of the divided Koreas. (AP Photo/Ahn Young-joon)

Portanto, não podemos aceitar estes fatos como sendo comuns, mas sim, colocá-los em nossa lista de alvos de guerra espiritual que nos é ordenada pelo Senhor em Efésios 6.10-18, e clamarmos para que a mente dos norte-coreanos seja transformada e que na Coreia do Norte haja liberdade para os cristãos adorarem ao Senhor Jesus que é o único digno de todo louvor e adoração!

PEDIDOS DE ORAÇÃO

  • Pela mudança de mente do povo norte-coreano e para que haja justiça durante o governo de Kim Jong-Un
  • Agradeça a Deus pela ajuda que a Portas Abertas e outras ONG’s podem oferecer para os cristãos do país.

 

Texto: Obtem dados retirados do portal da Missões Portas Abertas

3 Comments

  1. Madequi Nako

    Para compreender a conturbada Coréia do Norte é necessário conhecer antes a cultura e história da Ásia Oriental; como também os seus comportamentos… Neles há tanto valores virtuosos como contrários. E uma característica deles em achar-mos que são um povo frio, na verdade é um comportamento herdado dos ensinamentos de Confúcio que dizia que o maior pecado era a quebra da “Regra da Piedade”; basicamente no que se refere da pessoa abstrair sentimentos de pena de si memo.
    Por um outro lado era prática na China indivíduos isolados realizarem um pacto onde um ficava cúmplice do outro ao derramarem sangue primeiro dos mais indefesos, como os indigentes, depois de ladrões e outros indesejados; formando assim uma milícia de assassinos frios que ganhava o apoio da população e escalões nos reinos – similiar com as acusações do obscuro passado de Rodrigo Duterte nas Filipinas – ; mas, que, em atritos com diferentes reinados e forças, ocasionaram enormes massacres no decorrer de sua História.
    Mas o principal fator que explica a Coréia do Norte foram as investidas japonesas na Coréia e China desde o século XVI onde os japoneses procuraram destruir qualquer registro escrito e templos. Pois os templos também registravam fatos históricos; História pela qual os japoneses quizeram apagar.
    E quando em 2004 o Primeiro japonês, Junichi Koizumi, foi à Pyongyang retratar dos sequestros de civis japoneses pelo governo norte-coreano ocorridos na década de 70 e 80, a televisão noticiou que ele também visitaria um templo no país que prestigiava soldados medievais japoneses… No entanto ao chegar no Japão ele desmentiu; dizendo que sua comitiva havia se enganado.
    Porem há um templo na Coréia do Norte chamado Pohyon, surgido na mesma época em que ocorreram as duas fracassadas Invasões Mongois no Japão, durante suas atravessias pelo mar, por eventuais tufões. No entanto há a hipótese de que na segunda invasão os japoneses terem se utilizado de gigantes tambores ao longo de sua penísula para informar com antecendencia a vinda de um tufão, e assim atraíssem os mongois de encontro dele a fim de provocar um naufrágio; visto que é comprovado que os chineses, nas construções dessas embarcações mongóis, os sabotaram para que isto justamente acontecesse, como se estivessem em comum conluio com os japoneses contra eles.
    Os japoneses, na sua particularidade, não se gloriam de seus efeitos, principalmente quando fazem boas ações. Eles são discretos; mas em contrapartida eles também morrem escondendo os erros do seu passado; e é por isso deles nunca admitirem suas atrocidades nas guerras.
    E assim como o ex-presidente do Peru, Fujimori, procurou executar todos os rebeldes da Tupac Amaro por saberem da sua corrupççao, as autoridades medievais do Japão podem muito bem terem promovido uma “queima de arquivo” deste fato histórico pela Coréia e China para assegurar a proteção de sua nação, pois eles , sob os domínios dos mongóis, também participaram diretamente, tendo todo o conhecimento desta História resguardado por algum templo.
    Mas que durante o evento da guerra das duas Coréias (1950-1953), a Coréia do Sul procurou destruir os templos na Coréia do Norte, que, para ela, resgatar uma História como esta seria um simbolo de resistência contra todos imperialismos desde mongóis até estadunidenses, mas que para a Coréia do Sul seria utilizado apenas para fazer propaganda comunista, o que faz do país se fechar e se armar cada vez mais…

  2. Acio Sam

    Jesus disse algo muito importante que nu mundo teríamos aflições. ….
    Mais em tudo devemos ser fortes por que ele já venceu o Mundo

    • Redação Radar

      Amém…
      Que bom é poder ter Suas palavras em nossas mãos e assim receber conforto. Que possamos valorizar a cada dia o que temos recebido do Senhor.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.