A primeira pergunta é talvez a mais comum. Seria algo como: Eu gostaria de saber por que devemos fazer missões em lugares distantes como África e Ásia, se nossa cidade ainda tem tanta gente precisando ouvir o Evangelho?

Resposta: Essa é uma pergunta com que sempre se depara, e uma dúvida de muitos irmãos. Primeiro precisamos avaliar o que é ‘ouvir o Evangelho’. Será que podemos comparar alguém que nunca ouviu sequer o nome, a palavra, ‘JESUS’, com aqueles que estão (por exemplo) aqui nas cidades do Brasil, onde a mensagem está na TV, no Rádio, está na igreja da esquina, naquele parente que é evangélico, enfim, somos um país cristão, embora de maioria ainda católica, mas ainda assim a Bíblia está ao alcance de praticamente todos – salvo dos povos indígenas e alguns sertanejos, ribeirinhos e outros grupos isolados.

Oswald Smith, um pastor canadense que foi um dos maiores incentivadores de Missões do século passado, disse algo muito justo, que é o seguinte: “Antes de alguém ouvir o Evangelho duas vezes, que todos o ouçam pelo menos uma vez!”

Você concorda com essa afirmação? Será que alguém deveria ouvir o Evangelho duas, três, trezentas vezes, enquanto há aqueles que nunca ouviram sequer uma vez? Que sequer tiveram uma chance? Uma chance como você e eu tivemos, como a grande maioria em nosso país já teve e ainda tem?  Será que não devemos dividir isso, repartir um pouco esse bolo e dar uma chance, pelo menos UMA chance, a quem nunca teve?

O missionário William Borden, que trabalhou na China, faz uma pergunta que deve ser respondida por cada um de nós: “Se dez homens estão carregando um tronco, sendo nove deles no lado mais leve, e somente um segurando o lado mais pesado, e você deseja realmente ajudar, que lado você escolheria levantar?”

E aqui chegamos ao ponto principal da grande ordem de Jesus, a que chamamos de A Grande Comissão. Creio que todos sabem o que é a Grande Comissão. Alguns não sabem? Uma dica: foi a última ordem dada por Jesus, antes de ele ascender aos céus. A última e maior ordem. Ela encontra-se no livro de Mateus 28.19,20: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”. Devemos pregar o Evangelho a cada povo, língua e nação. Se estacionarmos aqui na nossa cidade, no nosso povo, na nossa língua portuguesa, estaremos refreando a obra de Cristo, estaremos desobedecendo-a, aniquilando a Grande Comissão.

Se voltarmos lá em Mateus 24.14, leremos: “E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo como testemunho a todas as nações, e então virá o fim.”

Analisando o que Jesus disse, chega-se à conclusão de que a volta de Cristo é uma volta condicional. Ou seja, ela depende do cumprimento de uma certa condição. E esta condição é que o Evangelho chegue a todos os povos da terra. Sim, a cada um deles! Como podemos então encher esta cidade de congregações, se há cidades maiores do que esta sem uma única igreja evangélica, e pior, sem um único cristão em todo o seu território?

Como disse o missionário brasileiro Jairo de Oliveira: “Seria pedir demais, requerer que uma igreja local desenvolva uma consciência e uma ação global? A Igreja foi estabelecida para corresponder aos desafios mundiais e deve ser caracterizada por sua visão de mundo. De outra forma, ela perde sua identidade e nega a sua natureza como agência do Reino de Deus para as nações.”

Agora, para fechar nossa reflexão, voltemos à Bíblia, ao lema do apóstolo Paulo, que está lá em Romanos 15.20: “Sempre fiz questão de pregar o evangelho onde Cristo ainda não era conhecido, de forma que não estivesse edificando sobre alicerce de outro.” Este deve ser o nosso lema.

Segunda pergunta: Hoje em dia, com a televisão, o telefone celular, a internet e todos os outros meios de comunicação, existem lugares onde o Evangelho ainda não chegou?

Resposta: Queridos, essa também é uma dúvida muito comum daqueles que não estão bem informados sobre a situação da obra missionária, e do próprio mundo em si. Bem, vamos começar pelo nosso Brasil: segundo o missionário e missiólogo brasileiro Ronaldo Lidório, há, no Brasil, 257 tribos indígenas conhecidas pelo homem branco. Destas, temos 105 tribos sem nenhuma presença do evangelho. Nenhuma, irmãos! E além disso, é certo que existem ainda diversas tribos desconhecidas, com as quais os homens brancos ainda não travaram contato direto. Essas tribos falam línguas específicas, línguas para as quais a Bíblia não está traduzida. Eles não possuem energia elétrica ou celulares, e mesmo que possuíssem, não falam nossa língua: como ouvirão, se não há quem vá até eles?

Temos ainda, em toda a região amazônica, mais de 4.000 comunidades ribeirinhas ainda não alcançadas pelo Evangelho! Eles também não possuem energia elétrica ou sinal de celular, e a imensa maioria sequer sabe ler, por falta de escolas próximas, já que essas pessoas vivem isoladas à beira dos rios, e sua locomoção depende de barcos, em viagens que duram dias de um ponto a outro. Como ouvirão, se não formos até eles? A TV e a internet não podem alcançá-los.

Continuemos ainda no nosso querido Brasil, agora vamos à outra região menos evangelizada de nosso país, o sertão nordestino. Estima-se em 10.000 o número de vilas e povoados sem presença evangélica. Enquanto a média nacional de evangélicos é de 27% da população, a média do sertão nordestino é de 4%! Somente 4%, e em muitos lugarejos a média está abaixo de 2% da população! Irmãos, para que vocês tenham uma ideia, essa média de 2% é a média de cristãos em muitos países muçulmanos!

Mas agora deixemos nosso país e vamos analisar a situação de nosso planeta.

Especialistas e missiólogos estimam que existam 11.284 povos, ou grupos etno-linguísticos, na face da terra. Dentre estes, calcula-se atualmente em 6.590 o número de povos não alcançados. Embora muitos destes povos não alcançados sejam pequenos, eles representam mais da metade dos povos da Terra!

Mas o que são povos não alcançados? “Um grupo de pessoas é considerado não alcançado, quando não há nenhuma comunidade nativa de cristãos capazes de envolver este grupo de pessoas com plantação de igrejas. Tecnicamente falando, a porcentagem de cristãos evangélicos nesse grupo de pessoas é quase sempre inferior a 2% da população.” Ou seja, mesmo que em alguns desses povos haja cristãos nativos, eles são tão poucos, tão incapacitados, que o Evangelho não pode avançar, e muitas vezes sequer manter-se, sem o apoio externo. E esse apoio deve partir de mim e de vocês, irmãos.

Agora me deixem apresentar-lhes outro conceito utilizado no estudo de Missões. Já sabemos o que são povos não alcançados. Conheceremos agora os povos não engajados.

Povos não alcançados são considerados também não engajados, quando não existe uma estratégia de plantação de igrejas, de acordo com a fé e a prática evangélica, em andamento. Quando não há nenhum movimento conhecido, por parte de igrejas e missões estrangeiras ou nacionais, para alcançar este povo, seja de que maneira for. De certa forma, poderíamos chamá-los não de povos não alcançados, mas de povos abandonados, povos esquecidos.

Pois bem: dentre os 6.590 povos não alcançados, calcula-se que existam 2.960 povos não engajados. Povos sobre os quais Igreja de Cristo sequer começou a trabalhar, ou mesmo a orar especificamente sobre eles. Povos que precisam ser adotados em oração e em ações, e vocês podem ser as pessoas que irão adotá-los.

Agora vocês entendem o tamanho da tarefa que nos cabe concluir?

Voltemos agora para a questão dos meios de comunicação como rádio, TV e internet. Em muitos países do terceiro mundo não há internet disponível na maioria de suas regiões. E quando há, sabemos que governos de países autoritários, como os comunistas ou islâmicos, controlam rádios, TVs e a internet, bloqueando o acesso a sites de conteúdo cristão. Além disso, esses países proíbem todo tipo de proselitismo (evangelismo), e proíbem também a produção, venda ou sequer a posse de qualquer literatura cristã, seja Bíblia, livros ou folhetos. E então? Como ouvirão se o Evangelho está impedido de entrar? Para alcançar tais povos, é necessário um trabalho lento, muitas vezes por parte de missionários fazedores de tenda, que é como são chamados os missionários que entram nos países como profissionais, sejam médicos, engenheiros, jogadores de futebol etc. Vale lembrar ainda que tais países gastam muito em sistemas de vigilância e espionagem, e mantém rígido controle sobre o povo.

Então queridos, ainda falta muito para ser alcançado, e alguns desses povos são de alcance (humanamente) muito lento e muito difícil. Mas não impossível! Todas as orações, todos os recursos, todas as vidas que pudermos empenhar para a obra são necessárias para concluirmos a grande tarefa que por nós espera.

Terceira pergunta: Eu gostaria de fazer Missões, e dedicar minha vida a levar o Evangelho até os que ainda não o ouviram. Mas minha família é contra, e uma amiga diz que se eu fizer isso vou desperdiçar a minha vida… Será que vale a pena dedicar a vida à obra missionária?

Resposta: Comecemos com o que disse Paul Fleming: “Se pudéssemos chegar mais perto do coração de Jesus e sentir e perceber o motivo pelo qual Ele deu a Sua vida; se fôssemos dirigidos por Seu amor, daríamos todo nosso tempo à procura das coisas que tem valor real e eterno, as almas dos homens.”

Percebe? Nada no Universo tem mais valor do que aquilo que Deus diz que tem mais valor: ou seja, as almas dos homens! Devemos nos apossar desta verdade, marcá-la em nossos corações.

Lembram-se do que disse David Livingstone, o famoso missionário desbravador da África? É uma frase muito conhecida, e profundamente verdadeira: “Deus tinha um único filho, e fez dele um missionário.”

Em face disso, que pode ser mais honroso, mais valioso do que seguir os passos de Jesus? Como você poderia desperdiçar a sua vida, imitando Aquele que é o criador da Vida? O evangelista Bill Bright, fundador da Cruzada Estudantil e Profissional para Cristo, disse certa vez que “Não existe chamado mais alto ou privilégio algum maior, conhecido para o homem, do que envolver-se em completar a Grande Comissão.”

O pastor John Piper também diz algo para você: “A vida desperdiçada é a vida sem uma paixão pela supremacia de Deus em todas as coisas para a alegria de todos os povos.”

E por fim, nossa irmã Kathe Walter disse: “Só isto traz sentido à vida na terra: tornar-se algo para a glória de Deus e iluminar o caminho de outros com a luz vinda de fontes eternas.”

Por isso, como arrependermo-nos por ter dedicado nossa humilde vida à obra de repartir a luz de Cristo com todos aqueles que têm fome e sede, fome e sede de justiça, de paz e de salvação?

Quarta pergunta: Nossa igreja é muito pequena, possui poucos membros… e ainda por cima, pagamos aluguel para ocuparmos este imóvel. Como poderíamos contribuir financeiramente para Missões?

Resposta: Para responder a essa pergunta, faço minhas as palavras do famoso pastor norte-americano Rick Warren: “A saúde de uma igreja é medida pela sua capacidade de enviar missionários e não pela capacidade de lotação dos bancos que possui.”

O pastor brasileiro Edson Queiróz, autor do excelente livro A Igreja Local e Missões, ensina: “Coloque Missões em primeiro lugar e Deus dará as coisas necessárias.” Inclusive eu recomendo a todos a leitura desse livro, que ensina como as igrejas locais, por menores que sejam, podem fazer a obra missionária.

Já dizia também o pastor José Alves dos Santos: “Não existe igreja pobre que não possa fazer missões. Existe igreja pobre, por não fazer missões.”

A verdade é que o evangélico brasileiro gasta muito mais com Coca-Cola do que com Missões. Isso não é vergonhoso?

Irmãos, se olharmos para nossas fraquezas, para as dificuldades, nunca trabalharemos. Ou como diz em Eclesiastes 11.4, “Quem observa o vento, nunca semeará, e o que olha para as nuvens nunca segará.”

O grande missionário Hudson Taylor, que levou o Evangelho à China, país onde viveu por mais de cinquenta anos, disse certa vez: “Não são os grandes homens que transformam o mundo, mas sim os fracos e pequenos nas mãos de um grande Deus.

Quinta pergunta: Eu gostaria de saber se as pessoas precisam de um chamado especial para pregar o Evangelho, ou para tornarem-se missionários?

Resposta: Queridos, certa vez alguém orou: “Deus, tem misericórdia dos perdidos.” E o nosso Deus misericordioso respondeu a essa pessoa, e sabe qual foi a resposta? “Eu já tive misericórdia; agora é você que precisa ter.”

Um grande escritor evangélico, Leonard Ravenhill, disse certa vez: “Será que um marinheiro ficaria parado se ouvisse o clamor de um naufrago? Será que um médico permaneceria sentado comodamente, deixando seus pacientes morrerem? Será que um bombeiro, ao saber que alguém está perecendo no fogo, ficaria parado e não prestaria socorro? E você, conseguiria ficar à vontade em Sião vendo o mundo ao seu redor ser condenado?”.

Entenderam? Qualquer um pode e deve lançar-se ao encontro dos que morrem sem Cristo! Todos somos bombeiros, bombeiros vivendo em meio a um grande incêndio. Quanto aos talentos, Deus trabalha em cima dos talentos de cada um, e acrescenta os talentos necessários, muitas vezes não antes, mas durante o processo,durante a ação. É preciso dar o primeiro passo, irmãos. Queridos, todos somos evangelistas. E todos podemos nos tornar missionários.

Logicamente, para evangelizar pessoas de outras culturas e línguas, é necessário uma preparação adequada, através de cursos e estudos diversos, para que o obreiro não passe vergonha e principalmente,  acabe involuntariamente prejudicando a causa do Evangelho. Mas cada um de nós pode aprender o necessário para ir aos campos transculturais. Pois o chamado é para todos, embora Deus possa usar cada qual de maneiras as mais diversas.

O missionário Jairo de Oliveira diz que “Todos aqueles que receberam uma nova vida, um novo Espírito, uma nova natureza, um novo coração, um novo destino, uma nova morada, também receberam a ordem de pregar o Evangelho ao mundo.”

Sobre este tema, ouça o que o fundador da Missão AMME Evangelizar, pastor José Bernardo, diz: “A igreja se acostumou a ouvir que ou você ora, ou contribui, ou evangeliza, mas nós sabemos que não é possível que a colheita seja feita com crentes que escolhem apenas uma dessas coisas, com gente que se dedica pela metade, que se santifica em parte. Todos devemos estar dispostos a nos envolver integralmente, entregando nosso tempo, recursos e talentos para a glória de Deus.”

Por fim, ouça o que disse John Wesley, o pai das Igrejas Metodistas e promotor de um grande avivamento no século XVIII: “Vocês não têm nada a fazer, senão salvar almas. Portanto, gastem tempo e sejam gastos nessa obra. Devem ir sempre não apenas ao encontro dos que precisam de vocês, mas principalmente daqueles que mais necessitam de vocês.”

Como diz Wesley, salvar almas é tudo o que temos para fazer, irmãos. Tudo o mais, nossos sonhos, nossos trabalhos, nossa vida completa, tudo deve girar em torno e em direção à: ganhar almas!

Sexta pergunta: Missões não é o mesmo que Evangelização? Elas não se referem à mesma coisa?

Resposta: Muitas pessoas, e inclusive alguns autores, gostam de acreditar que sim. Mas separar bem esses dois conceitos é muito importante para que possamos compreender a real importância de Missões, a real importância de alcançarmos os verdadeiramente não alcançados.

Veja, o famoso missiólogo e missionário Ralph Winter, um dos mais importantes estudiosos e incentivadores de Missões do século XX, explicou essa diferença de maneira bem simples: “Evangelismo é uma igreja crescendo onde ela está. Missões é uma igreja crescendo onde ela não está.”

Evangelismo, Evangelização, é falar do Evangelho em qualquer lugar, ao seus parentes, vizinhos etc. Missões é romper barreiras para levar o Evangelho, barreiras culturais, geográficas, linguísticas, sociais. E para romper tais barreiras, e evangelizar em outras culturas, faz-se necessário um preparo, uma capacitação, um investimento e uma dedicação muito maiores do que necessitamos ao evangelizar em nossa própria região e cultura.

Sammis Reachers

*Este texto (aqui adaptado) foi originalmente escrito para a peça teatral ‘Respostas Missionárias’, presente no e-book gratuitoTeatro Missionário – Peçasteatrais e jograis sobre Missões e Evangelização para igrejas evangélicas (que organizei em colaboração com Vilma Pires).

Fonte:

 

 

 

2 Comments

  1. iara da costa isaias

    queria a prender sobre missões , quero que vcs me manter cone quitado quero a prender mais sobre missões eu a prendendo poso fala melhor sobre missões.

    • Olá Iara, ficamos muito felizes com sua audiência e nosso conteúdo é exclusivamente para pessoas como você, que ama missões. Todos os dias postamos sobre missões, forma de evangelizar, artigos etc. Quando desejar saber sobre um conteúdo mande a sugestões para nossa equipe, que vamos fazer de tudo para preparar uma matéria sobre o tema solicitado.Fique com Jesus.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.